Deputados ignoram protesto e aprovam proposta

30 set

Dos 40 deputados, apenas quatro votaram contra a
proposta do governador que institui nova tabela salarial para
profissionais de nível médio

30.09.2011| 01:30                Fonte:   Logo O POVO Online

Manifestantes agora torcem pelo veto do governador Cid Gomes (DEIVYSON TEIXEIRA)

Em meio a protestos e agressões entre policiais militares e professores da rede estadual de ensino, a
Assembleia Legislativa aprovou ontem a mensagem enviada pelo governador Cid Gomes (PSB), na terça-feira, que cria nova tabela de salários para profissionais de nível médio.

De acordo com a mensagem, o piso salarial para professores de nível médio (para 40 horas semanais) passa a ser de R$ 1.187, atendendo a Lei do Piso, e o teto, para quem não tem graduação, será de R$ 2.255,30.

Para os professores, em greve há 57 dias, a medida representa uma manobra do governador para não
atender todas as reivindicações da categoria, pois a nova tabela atingirá somente cerca de 250 professores de nível médio. Além da aplicação do piso, a categoria pede a sua repercussão na carreira.
Reivindicação que, para o presidente do sindicato dos professores do Ceará, Anízio Melo, foi destruída com a aprovação da mensagem.

Na quarta-feira, os deputados aprovaram regime de urgência para tramitação da matéria. Com isso, os professores decidiram permanecer na Casa, na tentativa de pressionar os deputados a rejeitar a mensagem.

Dos  40 deputados presentes na sessão de ontem, apenas Augustinho Moreira (PV), Eliane Novais (PSB), Heitor Férrer (PDT) e Roberto Mesquita (PV), votaram contra a mensagem.

O líder do governo na Assembleia, deputado Antônio Carlos (PT), disse que o governador recebeu a categoria  em greve em duas ocasiões e avançou nas negociações. Acrescentou que a  mensagem apenas inclui os professores que ganhavam abaixo do piso. “O governador cumpriu a sua palavra. A mensagem que beneficia esses 270 professores foi discutida com a categoria (no dia 22)”, disse.

Para  a deputada Eliane Novais, as negociações estão comprometidas e a categoria não tem mais segurança de que uma nova tabela para professores  de nível superior será aplicada. “A categoria quer continuar unida, que  o piso seja implantado na categoria unificada”, disse. Segundo Anízio Melo, a categoria espera agora que o governador não sancione a lei e que  reabra negociações. (Bruno Cabral, com colaboração de Ranne Almeida)

ENTENDA A NOTÍCIA

Apesar  dos  apelos do sindicato dos professores para que a Assembleia Legislativa  não votasse a mensagem do governador, que institui uma nova  tabela de  salários para a categoria, a matéria foi aprovada por ampla maioria.

O projeto

No texto  enviado à Assembleia Legislativa no dia 27, o governador Cid  Gomes (PSB)   propôs a criação de nova tabela de salários para  profissionais de  nível médio, instituindo o piso de R$ 1.187. Cumprindo
assim o piso  salarial nacional da categoria, no regime de 40 horas-aula semanais. O  teto para os profissionais com essa escolaridade  ficou estipulado em R$  2.255,30.

Para os professores  com nível superior, o  governador diz na mensagem, que “mesmo já percebendo vencimento  superior ao piso salarial profissional nacional, permanecem como objeto  de estudo e de medidas posteriores”.

O projeto de  lei, no entanto, não altera os valores para profissionais  de nível  superior. Já o tempo mínimo para a progressão funcional na  carreira  passa de um para dois anos.

Anúncios

Escreva sua opinião

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: