Descoberta Evidência de vida em Titã (Lua de Saturno)

2 out

A Lua de Saturno Titan

Descoberta revela que Titã é o único objeto do Sistema Solar, além da Terra, a apresentar corpos líquido em sua superfície

 

Fonte:  Fórum MTSP   – por Adam Hadhazy

Titan é a maior lua de Saturno e a segunda maior lua do sistema solar, rivalizando unicamente com a lua de Júpiter, Ganímedes. Antes dos encontros da Voyager, os astrónomos suspeitavam que Titan poderia ter uma atmosfera. Os cientistas também acreditavam que podiam ter encontrado mares líquidos de metano ou etano; a água poderia ter congelado devido à temperatura baixa à superfície de Titan. Esperando um mundo fora do comum, a Voyager 1 foi programada para obter numerosas vistas de perto de Titan durante a sua aproximação em Novembro de 1980. Infelizmente, tudo o que se conseguiu ver foi uma atmosfera impenetrável coberta com uma densa camada de nuvens. Apenas foram observadas ligeiras variações na cor e no brilho.

Apesar de Titan ser classificada como lua, é maior do que os planetas Mercúrio e Plutão. Tem uma atmosfera planetária que é mais densa do que as de Mercúrio, Terra, Marte e Plutão. A pressão atmosférica perto da superfície é de cerca de 1.6 bars, 60 porcento maior do que a da Terra. O ar de Titan é predominantemente composto por nitrogénio com outros hidrocarbonos que dão a Titan a sua tonalidade alaranjada. Estes hidrocarbonos são os blocos que compõem os aminoácidos necessários para a formação da vida. Os cientistas acreditam que o ambiente de Titan pode ser semelhante ao da Terra antes da vida ter começado a encher a atmosfera de oxigénio.

A temperatura à superfície de Titan parece ser de cerca de -178°C (-289°F). O metano parece estar abaixo da pressão de saturação perto da superfície de Titan; provavelmente não existem rios e lagos de metano, apesar da analogia com a água na Terra. Pelo contrário, os cientistas acreditam que existem lagos de etano que contêm metano dissolvido. O metano de Titan, devido ao processo contínuo de fotoquímica, é convertido em etano, acetileno, etileno e (quando combinado com nitrogénio) cianido de hidrogénio. Esta última é uma molécula especialmente importante; é um elemento necessário para a criação de aminoácidos.

As sondas Voyager não foram capazes de penetrar as espessas camadas de nuvens mas revelaram que Titan é um dos lugares mais interessantes no sistema solar. Que tipo de paisagem existe abaixo das camadas de nuvens? Que mistérios estão escondidos abaixo destas cortinas cor de laranja? Estas questões terão que esperar até futuras naves serem lançadas para visitarem esta estranha lua. Em 15 de Outubro de 1997, a sonda Cassini foi lançada para um encontro com Saturno em Junho de 2004. Mais tarde, neste mesmo ano, lançará a sonda Huygens, de origem europeia, para uma descida pela atmosfera de Titan. Cassini terá mais de 30 encontros com Titan, construindo um mapa da superfície da lua com um radar semelhante ao usado pela Magalhães para criar o mapa de Vénus.

Estatísticas de Titan
 Descoberto por Christiaan Huygens
 Data da descoberta 1655
 Massa (kg) 1.35e+23
 Massa (Terra = 1) 2.2590e-02
 Raio equatorial (km) 2,575
 Raio equatorial (Terra = 1) 4.0373e-01
 Densidade média (gm/cm^3) 1.88
 Distância média de Saturno (km) 1,221,850
 Período de rotação (dias) 15.94542
 Período orbital (dias) 15.94542
 Velocidade orbital média (km/seg) 5.58
 Excentricidade orbital 0.0292
 Inclinação orbital (graus) 0.33
 Velocidade de escape (km/seg) 2.65
 Albedo visual geométrico 0.21
 Magnitude (Vo) 8.28
 Temperatura média à superfície -178°C
 Pressão atmosférica (bars) 1.5

 

 

Vistas de Titan

Titan
Camadas opacas de nuvens impediram a Voyager de verem a superfície de Titan durante o seu voo em 1980. As nuvens acima do hemisfério sul são de cor mais clara do que as do hemisfério norte. Há uma capa escura sobre o polo norte. (Copyright: Calvin J. Hamilton)
Vista em Crescente de Titan
A sonda Voyager 1 obteve esta vista em crescente de Titan em 13 de Novembro de 1980. Crê-se que a névoa opaca de cor alaranjada, seja composta por hidrocarbonos produzidos fotoquimicamente, que impedem a sonda de ver a superfície de Titan. (Copyright Calvin J. Hamilton)
Titan Visto Por Trás
Esta vista de Titan foi obtida de uma posição em que olhava quase directamente para o Sol. A atmosfera de nitrogénio de Titan rica em hidrocarbonetos dispersa a luz solar para a frente acima do terminador de todo o disco do satélite. A superfície de Titan está obscurecida por uma espessa camada de nuvens. As únicas marcas visíveis são a capa escura do polo norte, e uma diferença no brilho e na cor dos hemisférios norte e sul. (Cortesia NASA/JPL)
Imagem de Titan da Pioneer 11
Esta imagem de Titan foi obtida pela sonda Pioneer 11 em 3 de Setembro de 1979 de uma distância de 3.6 milhões de km. Foi criada a partir dos dados dos canais vermelho e azul da imagem G-14. A qualidade é limitada devido à qualidade limitada do sistema de imagem da Pioneer bem como a telecomunicações fracas no momento do encontro com Titan. Esta é a primeira imagem de Titan a mostrar claramente um hemisfério mais brilhante do que o outro. (Cortesia NASA)
Mapa Mercator de Titan
Pela primeira vez os cientistas conseguiram fazer imagens da superfície de Titan. Eles criaram mapas das formações claras e escuras acima da superfície do satélite durante quase uma rotação completa de 16 dias. Uma área brilhante notória que eles descobriram é uma formação da superfície de 2,500 milhas de lado, aproximadamente a dimensão do continente da Austrália. Esta vista de Titan é uma projecção Mercator com latitude entre 40° sul e 50° norte e longitude entre 0° e 360° (longitude E aumentando para a direita). Esta imagem foi criada de imagens obtidas pelo Telescópio Espacial Hubble durante 14 sessões de observação entre 4 e 18 de Outubro de 1994. Foi utilizada a Câmara 2 Planetária de Grande Angular a comprimentos de onda próximo do infravermelho (entre .85 e 1.05 microns). A névoa à volta de Titan é suficientemente transparente neste comprimento de onda para permitir o mapeamento das formações da superfície de acordo com a sua reflectividade. (Cortesia Peter Smith, Universidade de Arizona/NASA)
Quatro Vistas de Titan
Esta imagem mostra quatro vistas de Titan pelo mapeamento do mapa Mercator num globo visto de quatro diferentes orientações. (Cortesia Peter Smith, Universidade de Arizona/NASA)
Huygens
Este desenho artístico mostra a sonda Huygens da Agência Espacial Europeia descendo na atmosfera da lua de Saturno Titan depois de ter sido libertada pela sonda Cassini da NASA. Cassini foi lançada em 15 de Outubro de 1997, e atingirá Saturno em Junho de 2004, libertando a sonda Huygens mais tarde nesse mesmo ano. (Cortesia ESA)
Huygens na Superfície de Titan
Este desenho artístico mostra a sonda Huygens na superfície da lua de Saturno Titan depois de ter sido libertada pela sonda Cassini da NASA. (Cortesia ESA)

Anúncios

Escreva sua opinião

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: